sexta-feira, 14 de junho de 2013

Crônicas de um Caranguejo

O caranguejo tem um jeito engraçado de caminhar, e por isso já é tachado de estranho.




Ele é um animal misterioso. Vive na água e na terra. Por fora é muito duro e por dentro é muito mole. Ele parece ser muito manso e na maior parte do tempo ele realmente o é. Porém, ele nem sempre se deixa levar pelas águas. Quando quer ficar num lugar, ele vai ficar (ou pelo menos tentará com muita bravura). A bravura do caranguejo assusta pois aparece quando menos se espera. Quando ele quer ficar com alguma coisa ele também lutará para não perdê-la.


Seus pequenos olhos brilham para a Lua, sua grande mãe. Aqui já falo do caranguejo poético-astrológico-humano. Se você tem um caranguejo dentro de si, irá entender o sentido "literário" desse texto.


O caranguejo é um ser tímido e feito puramente de emoções. É muitas vezes incompreendido. É um pequeno guerreiro que luta por seu lar, e geralmente seu lar é sua própria carapaça. Sua rara fúria vem de um processo chamado "raiva vulcânica": ele está sempre calmo e quieto mas sua emoções borbulham por dentro. O caranguejo tem o mal hábito de acumular coisas ruins dentro dele (lembranças desagradáveis, fracassos e principalmente mágoas) e chega uma hora em que a pressão é tanta que a "lava" começa a sair e se a erupção ocorrer, saia de perto, fuja para as colinas. Sua raiva coloca qualquer predador com o rabinho entre as patas.


Sabe o que dizem: "gente muito boazinha, muito quietinha, quando fica realmente nervosa, é de explodir de vez". Isso é fato, e não mito.


O filho da Lua tem seu interior muito mutável, seus humores mudam com facilidade e velocidade. Sua comunicação verbal não é muito clara, ele se expressa melhor por gestos e nuances e apenas pessoas que tem dentro de si uma dupla de escamosos aquáticos ou um peçonhento com ferrão podem entender essa linguagem. Esses seres da água são "mudos", portanto não há verdadeira harmonia com eles se não houver uma sintonia.


O caranguejo sempre tem uma relação significativa com sua mãe. Não, eles não são filhinhos da mamãe. O sentido disso é que eles sempre amam muito a mãe ou odeiam muito, por isso o relacionamento será muito significativo, pra melhor ou pior.


Apesar dos rancores, o caranguejo é cheio de amor. Eterno romântico, mais apaixonado pelo próprio amor do que por pessoas, ele sempre lê "AMOR" e nunca "amor". Ele ama o AMOR, ele luta pra ter AMOR. Mas como a maioria dos caranguejos são frustrados ele tem dificuldade em encontrar AMOR. Primeiro, porque ele não entende que o amor deve vir, antes de tudo, dele mesmo. Segundo, porque poucos querem intimidade com ele, ou por achá-lo complexo de mais ou por desistirem sem esforço de entrar em sua carapaça. Ele ficará decepcionado com essas pessoas cruéis e se fechará novamente. Poderá chorar, poderá ficar furioso. Certamente ele não vai desencanar e com ainda mais de certeza não vai esquecer.


Aliás, eles nunca esquecem nada. Longa memória que assusta a maioria, o caranguejo tem na memória um de seus maiores dons e também um de seus maiores tormentos, pois pensamentos e lembranças ruins o assombram com frequência. Ele costuma se ver como uma grande vítima do mundo... Não que ele seja um santo, mas sua personalidade especial lhe impede de agir com desenvoltura no mundo comum. Ele se sente muito atraído por sanguíneos e coléricos, porém não se sente compreendido pelos primeiros e se sente agredido pelos segundos. Sente-se seguro com os fleumáticos, mas nem esses podem entender sua alma. Assim ele encontra mais amor com os melancólicos, embora a falta de praticidade dessas combinações podem tornar relações multicoloridas em puro cinza...


O doce porém astuto caranguejo segue sua vida com seu andar engraçado. Geralmente solitário... Talvez seu sonho de encontrar o AMOR não se realize, mas ele guarda a sete chaves dentro de si seus preciosos sentimentos que são, para ele, seu maior e mais valioso tesouro.

Nenhum comentário:

Postar um comentário